foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

1 de março de 2010

MATINALESTE

Tela de Arlete Marques (Angola)

Hoje fui no Leste
quando acordei
o brilho do Sol
bebi cachipembe
mas antes ofereci
aos ancestrais
e depois
sentei com o povo
para comer o chima
na roda da fogueira.
Havia maiungo
e fartura toqueia
pescada na água
água sagrada
da Chana da Cameia.

Namibiano Ferreira


Cachipembe – Bebida alcoólica feita à base de cereais.
Chima – O mesmo que fúnji (pirão), no Leste de Angola.
Maiungo – Verme comestível.
Toqueia – Pequeno peixe que se pesca nas águas da Chana da Cameia.
Chana da Cameia – Savana alagada no Moxico, Leste de Angola

11 comentários:

cirandeira disse...

Embora não conhecendo muitas das palavras de teu poema, entendí o sentido dele. Esse encontro, essa confraternização em torno da fogueira, realmente nos gratifica e
nos une quando compartilhamos os alimentos de nossa Mãe Terra.
Gostei muito da tela de Arlete Marques, e gostaria de pedir licença para postá-la um dias destes no blog.

Kandandu

Janaina Amado disse...

Namibiano, este poema tem um ritmo, um poder de chamamento, de dizer "venha conosco", muito grande. Eu também quero sentar com o povo (mas não quero comer maiungo). Abraço.

Decio Bettencourt Mateus disse...

Pois é, o tal estilo que sempre me cativou. A poesia (aparentemente) fácil, miúda e agradável. E as coisas da terra. E as nossas gentes.

Kandandu.

Rosita de Palma disse...

Bom dia Namibiano,

O Leste é muito rico em estórias, tem alma...


Kandandu!

Rosita de Palma disse...

Vi os poste anteriores Namibiano, QUE RIQUEZA!

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Cirandeira, obrigado pela sua habitual presenca. As palavras tem o significado em nota de rodapé. Quanto á tela pode publicar no seu blogue, a cultura e a alma angolana agradecem.
Kandandu

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Janaina, vc tem razao. Este poema é um chamamento para a uniao e confraternizacao á roda da fogueira, entre TODOS os homens, com toda a sua humana igualdade.
Pronto, maiungo nao vai para voce, ok? Eheheheheh
Kandandu

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Mano Décio,
É isso mesmo... "as coisas da terra. E as nossas gentes."
Kandandu!

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Mana Rosa,
É verdade sim, "o Leste é muito rico em estórias, tem alma..." Só tenho pena nao conhecer mais estórias, mais alma do nosso Leste... Obrigado peela sua presenca neste blog. Ainda bem que gostou da "riqueza".
Kandandu!

Lisarda disse...

Aconchegante poema!E bonita a tela que acompanha. Amaría beber cachipembe...
Muito bom o teu blog. Pra mim, que sou argentino, mas gusto das lusofonías- é uma revelação.
Um abraço além do mar, Ignacio.

líria porto disse...

caro poeta - obrigada pela tua visita a meu blog - também eu gosto imensamente de te ler. e amo a áfrica, as suas mulheres lindas, a sua história, a flor da sua pele!
besos