foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

6 de agosto de 2009

QUARTA ANTOLOGIA - Poemas Versos Crônicas -


Vou participar em mais uma antologia que sairá muito em breve na I Bienal Internacional do Livro de Curitiba – Brasil.
“Poemas Versos Crônicas – A Arte desafiando a Vida”, assim se intitula a obra, tem a chancela da Abrali Editora, sediada na cidade brasileira de Curitiba.
Nela participo com cinco poemas, um deles é o poema que dedico a Vó Mariana, uma mulher que realmente existiu e que foi minha conterrânea e vizinha, paz à sua alma.


Este livro pode ser adquirido online, siga o link: http://www.abrali.com/loja/



Bessangana - Tela de Neves e Sousa


Homenagem a Vó Mariana esposa do grande Soba Republicano da Cidade de Tômbwa .




Xé, miúdos da minha cidade!
É tempo de pôr rolha...
Vó Mariana espera os meninos todos
Envolta nos seus panos compridos
Descendo sobre o corpo esguio de velha sabedoria.

Contra o makulu não há rival
Sabe todos os segredos:
erva de Santa Maria
pau de kissékua…
Se o menino tem bucho virado
Vó Mariana sabe também
E na sua casa entram os miúdos todos.

É tempo de matar o makulu
vamos só na casa de Vó Mariana
pôr rolha e tomar kissékua…

O vento parou e o tempo teimou em passar.
Vó Mariana, provavelmente, já morreu
Só eu, tão longe, sismo em lembrar:
makulu, rolha, kissékua...
e Vó Mariana aberta num sorriso de marfim
vem recebendo, à porta de casa, seus netos todos:
meninos pálidos-negros-morenos.



Namibiano Ferreira




Pau de kissékua – casca de determinada árvore que se reduz a pó e com o qual se faz um medicamento tradicional (kissékua) contra os vermes intestinais.
Makulu – vermes intestinais, vulgo lombrigas.
Rolha – misturas de ervas esmagadas que se introduz no ânus das crianças como terapia contra o makulu.

14 comentários:

Carmo disse...

Namibiano eu tive de facto duas avós ambas "Mariana2 fiquei muito sensibilizada quando li que vai participar numa antologia com alguns poemas um deles dedicado á Vo Mariana. Pois bem, se não se importar que sirva de homenagem a todas as avós mas em particular a vo Mariana.
A minha avó Mariana, mãe da minha mãe com quem eu mais convivi contava-me estórias maravilhosas desde o fantástico, ao religioso, aliás acho até que na cabeça dela os dois misturavam-se. Eu deliciava-me a ouvi-la

Um beijo

Carmo

E boa sorte

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Carmo, as avós sao seres mágicos... pelo menos se assim o ditarem as nossas recordacoes. Vó Mariana nao era minha avó de sangue mas em Angola era como se fosse... todos temos muitos tios, primos, avós e também manos lacos especiais da nossa família humana.
Pode entender esta homenagem a todas as AVÓS, elas merecem.
Kandandu

Decio Bettencourt Mateus disse...

Maravilha de poema e mensagem. Já tinha lido. Em bom estilo. Maravilha, Namibiano. E parabens por mais esta participação.

Maria Muadiê disse...

NAmibiano, livro em solo brasileiro, que bacana!

Também me lembro dessa poesia, as avós são especiais.
um abraço,
Martha

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Tens boa memória. Já foi publicado aqui e se nao me engano também fizeste comentário ou entao foi no blogue do Admário (Hariapoesis).
Modéstia á parte mas é um dos meus poemas favoritos.
Kandandu

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Martha, obrigado pela visita e comentário mas uma pequena rectificacao, a antologia em questao nao é livro a solo, outros autores participam.
Kandandu

Maria Muadiê disse...

rsrsrs...
Amigo, olha a nossa lingua nos complicando! Solo no sentido de chão, publicação em chão brasileiro!
Longe de mim, infelizmente, pois estou cá na Bahia.
kandandu

NAMIBIANO FERREIRA disse...

LOL!!!!!
Martha, nao é nossa língua nos enganando nao. Lá está "em" e nao "a", sabe o que isso é? Velhice, mania de nao usar os óculos quando venho para o computador... preciso deles só para ler e depois acontecem estas coisas...
mil desculpas, amiga e receba um grande kandandu!!!
Namibiano

Val Du disse...

Namibiano Ferreira

Estive lendo suas poesias e gostei muito.

Voltarei sempre aqui.

Abraços.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Val Du, seja sempre bem vinda!
Kandandu

Romina Priscilla disse...

Bom dia,

Encontrei este poema sobre a avó Mariana. E o mais fantástico é que a minha mãe (que está ao meu lado) teve o privilégio de conhecer e viver, durante a sua infância, perto desta avó Mariana - a esposa do Republicano, em Porto Alexandre. A minha mãe é filha do Marçal - músico e barbeiro. Ela sente-se, como todas as minhas tias e tios, netos da avó Mariana.
Este poema não podia ser mais autentico. Desde criança que oiço falar da avó Mariana com muito carinho e este poema corresponde, precisamente, à pessoa de quem sempre ouvi falar.

Parabéns,
Romina Marçal Eusébio

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Bem vinda a nova geracao de gente de Tombwa, ex-Porto Alexandre.
Kandandu

Romina Priscilla disse...

Olá Namibiano,

O pai da Lídia e da Juca é meu tio-avó. O Marçal que vivia ao lado da loja do Castanheira é o meu avó. A Juca é minha prima e madrinha.
Possivelmente, a minha tia com quem andou à escola deva ter sido a Elisabete Marçal (Beta) ou a América Marçal (Méquita).
A minha mãe tem ideia da madrinha da Lídia ser a Dona Rosete.
A minha mãe acredita que as minhas tias, como são mais velhas, saberão, com certeza, quem é o Namibiano.
Eu e a minha mãe ficámos muito felizes por saber que outras pessoas partilhavam o mesmo sentimento de gratidão e amor pela avó Mariana. Nem imagina a alegria que o seu poema sobre a avó Mariana é capaz de provocar entre os meus tios.

Abraços e continue, está a fazer um óptimo trabalho:)
Romina

cirandeira disse...

Parabéns, Nami! Que boa notícia ter um livro teu em nossas terrar, e que privilégio pra nós!
Teu poema fêz-me sentir saudade de algo que não tive a sorte de vivenciar, pois não conheci meus avós...!
Não consegui votar em tua amiga, porque não tive acesso ao site.


Kandandu