foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

12 de dezembro de 2014

VAMOS A ANHARA - MILA MELO

O mesmo que: Vamos a savana.


2 comentários:

Fernando Ribeiro disse...

Há tantos anos que não ouvia esta canção da Milá Melo! Muito obrigado! Mesmo com desafinações e tudo, é de uma beleza pura e ingénua. Uma maravilha.

Não é de surpreender que, no vídeo, esta música venha acompanhada de uma imagem de uma music box... escrita em espanhol. Aposto que quem colocou o vídeo no Youtube é colombiano. No norte da Colômbia, nomeadamente nas cidades de Barranquilla e Cartagena, a música angolana dos anos 60 e 70 gozou, e ainda goza, de grande popularidade. Sendo cidades situadas na costa atlântica da Colômbia com uma grande percentagem de habitantes afrodescendentes, a elas chegavam discos oriundos de Angola e de outros países africanos, trazidos pelos marinheiros dos navios que faziam o comércio entre África e a América Latina. A partir desses discos, faziam-se na Colômbia edições piratas, por vezes com nomes diferentes dos originais, que eram vendidas nas ruas e animavam (e, segundo parece, ainda animam) as farras de fim de semana naquela parte da Colômbia. Aqui se pode ouvir uma gravação "made in Colombia" de uma outra música angolana, erradamente atribuída aos Kiezos: https://www.youtube.com/watch?v=5RBdGhQSd4I.

É verdade que a anhara é uma savana. Sem dúvida. Mas convém acrescentar que não é uma savana qualquer. A anhara ou chana é uma savana alagadiça e de solo arenoso, característica das planícies do Leste, a qual se cobre de água durante a estação das chuvas.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Caro Fernando, obrigado por enriquecer a postagem com esta informacao de que nao tinha conhecimento. Realmente estranhei mas musica nao tem fronteiras...
Cantei muito esta cantiga quando era miúdo. Ando á procura de CD da cantora mas nada, os que encontro estao esgotados.
A qulidade do som nao é boa mas a vontade de dar a conhecer a musica é maior. Sim, a anhara e a chana sao alagadas no tempo da chuva e secas no empo do cacimbo.
kandandu