foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

17 de novembro de 2008

TATUAGEM






Mordo os olhos

líquido sorriso

oceano onde mergulho

meu corpo

kissanje de te tocar

mar marulhar maresia

cadinho concha

de minha mão

onde repouso

os desenhos e desejos

tatuados sem se verem

no ventre iluminado

do teu luar.



Namibiano Ferreira


5 comentários:

Janaina Amado disse...

Achei o poema bonito, de quem tem intimidade com o mar. Por que a foto do deserto? Ele se parece com o mar? Onde os dois se encontram?

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Janaina, obrigado pela visita e comentário. Nasci na província angolana mais árida de todas, onde se situa o Deserto do Namibe, que fica a nascente da minha cidade, Tombwa, ficando o Mar-Oceano, a poente e tanto o deserto como o mar sao uma e a mesma coisa, sao um infinito de solidao e aridez. E bem lá no fundo sao também a vida dessa cidadezinha de gente simples e que labutam o mar para seu sustento e nas areias fundas do deserto buscam água para sobreviver. Veja na foto as marcas do vento sobre a areia, uns ss longos a parecer ondas mansas do mar e as dunas enormes, sempre em transformacao, sao as altas e tormentosas ondas do mar. O Mar para mim, pode dizer-se sao o Namibe, o Oceano e o corpo da mulher amada, um porto, uma ancora, uma reserva de forcas e Infinito, Deus/Kalunga.....
Namibiano

Sílvia Câmara disse...

Caro Namibiano,
O poema é lindo, mas o teu comentário em resposta à Janaina, comoveu-me.
Obrigada pela lição de amor à terra natal, ao mar e à mulher.
um abraço afetuoso

Sílvia Câmara disse...

Namibiano, meu amigo d'além-mar,
fico muito lisonjeada com o seu desejo de postar poemas meus no teu "Cores".
Sinta-se à vontade. Tenha o Brisa como extensão da sua casa.
Andei sem poder dar atenção ao blog.Na verdade, ainda estou "no corre-corre", mas aos pouquinhos vou voltando.
Obrigada pelos votos de incentivo e receba um abraço desde a Bahia.

Renata Lobo disse...

Ao poeta ausente,
gostei de tudo, tudo mesmo, esse principalmente. É lindo!

"a Poesia não se faz: ACONTECE."