foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

11 de julho de 2013

AS SOBRAS DAS SOMBRAS



Faço de contas a fingir
que no nascente
do poente
o Sol brilha para mim também
e no além
brotam migalhas de justiça a florir.

Depois sonho com sombras
debaixo dum Sol escaldante
abomino as sobras
das sombras estranhas
me envias (in)complacente:
as sombras também são minhas!

Oh!, a chuva matinal
Deus enviou-me a chuva torrencial
sou dono das cargas d´água
e minha amargura desagua
na foz dum rio qualquer
na foz dum rio a entardecer.

Faço de contas a sonhar
que as melodias das ondas do mar
numa praia linda
da ilha da minha Kianda
cantam para mim entusiásticas
melodias eufóricas.

Oh o solo é meu, recebi de herança
é minha a esperança
perdida no chão de riquezas
(riqueza? Que riquezas? Pobrezas!)
é meu o solo rico que galgo
é meu o lamento triste que rogo.

Deus enviou-me o sol também
o Sol é meu
também as sombras
abomino as sobras
que do alto teu céu
me envias arrogante. Turbilhões de justiça no além!

Abomino os restos
recuso! Protesto meus protestos
as sobras. As sobras das sombras
que tua falsidade me grita
e envia hipócrita:
recuso as sobras!

As sombras. As sobras das sombras!


Luanda, 19 de Maio de 2006.

Décio Bettencourt Mateus


In Gente de Mulher 

3 comentários:

António Eduardo Lico disse...

Bela poesia.
Abraço.

José Carlos Sant Anna disse...

Agradeço-lhe pela visita ao meu blogue. Já estive aqui outras vezes e postei um comentário registrando minha estada, pois não achei o caminho para seguir o blogue. Mas alguma razão técnica meu comentário não chegou à sua caixa de mensagens. Gostei muito dos textos. Aliás, como não se apaixonar pela poesia angolana.
Este poema do Décio é maravilhosa. De quem sabe tem o nariz, como se diz por aqui.
Um grande abraço,

DECIO BETTENCOURT MATEUS disse...

Mano, um kandandu. Obrigado.