foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

25 de fevereiro de 2015

COMO SE O MUNDO NÃO TIVESSE LESTE




Como Se o Mundo Não Tivesse Leste

(As Águas do Capembáua)

Em Abril chouveu bastante, últimas chuvas da estação. Os três primeiros meses de permanência de R na fazenda foram afanosamente preenchidos com a implantação de uma vedação de arame à volta da fazenda. R. acordava a meio da noite ainda, na barraca de zinco, ouvindo o Calembera às voltas com o fogo, para fazer café. Lavava a cara na bacia de esmalte, cá fora, aquecia as mãos no telheiro da cozinha, bebia a zurrapa e arrancava no jipe. Trezentos metros à frente, no acampamento, recolhia os tractoristas e ganhava a savana, antes do sol nascer, o carro descapotável e o vento a cortar a face.

Meses frios, Junho e Julho. As nuvens baixas, sempre, de cacimbo, e a humidade, à tarde, ventosa e agreste, do lado do mar.

Cento e trinta quilómetros de periferia. À frente um tractor, a abrir a picada. O pessoal, atrás, a fazer buracos, a implantar os postes, a estender o arame. O cheiro da terra, arranhada pelo bulldozer, e o imprevisto diário de sucessivos horizontes, extensos e novos.


Ruy Duarte de Carvalho, Como Se o Mundo Não Tivesse Leste

2 comentários:

Fernando Ribeiro disse...

"Como se o Mundo Não Tivesse Leste" foi o primeiro livro que li de Ruy Duarte de Carvalho e fiquei maravilhado. Fui logo a correr comprar "A Decisão da Idade" e fiquei maravilhado a dobrar.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Ando a reler Ruy Duarte de Carvalho e a comprar os livros que li mas que eram, nessa altura, da Biblioteca Municipal de Ovar.