foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

30 de abril de 2009

UMA BANDEIRA PARA TOMBWA







Para o III encontro e reencontro de alexandrenses




Uma bandeira para TombuAlexandre
a espargir azul mar no azul celeste do sul
beijo saudade sem fim a crepitar;
da clara luz de TombuAlexandre
alva tecedura rendilhada de espuma
desenhar a calema e a cor da duna
duNamibe sonho crescendo garroa
no sopro metáfora insustentável do vento
e para terminar, o toque final traçar
no vigor protector da mãe casuarina
dedicada bailarina dançando ao vento
ao cacimbo e ao verde do tempo a espreguiçar
verduras pelos lábios graciosos do Curoca
beijo de março na fartura da terra e do mar.


Namibiano Ferreira


26 de abril de 2009

UM DOS 5 POEMAS EDITADOS NA II ANTOLOGIA POETAS LUSÓFONOS


Kuíto - Angola



Este é um dos cinco poemas, de Namibiano Ferreira, editados na II Antologia de Poetas Lusófonos. Os outros sao: Olombera, Rosto, Névoas e Fala de Mama Zefa.



*


PÁGINA DE UM DIÁRIO QUE O VENTO (CHEIRANDO A CADÁVER E PÓLVORA) TROUXE ATÉ MIM


Olha tanta paz a pingar do cajueiro
como pingos gordos de sangue.
Olha tanta fartura de paz a escorrer das varandas
buganvílias de minha mocidade...
Olha tanta PAZ, meu Deus, tanta PAZ!


E uma menina -criança ainda-
chorando no Kuíto - Bié, hoje em mais um dia
de guerra em que fomos bombardeados
pelos mig's das FAPLA; e obuseados
pelos mísseis das FALA.


Na mata, onde fugimos, fingindo nos esconder,
um menino está para nascer: talvez ele seja
Jesus Candengue, nossa promessa de PAZ...


-É véspera de Natal, algures no Bié!


(Dezembro 1998)


Namibiano Ferreira

23 de abril de 2009

ROSA CANDIDA




Para Dinah



Baloiçam rosas na candura
astralina dos teus passos
rasto cauda de cometa
de plumas místicas prateadas
ao vento alado do vogar dos anjos
velando cautelosos teu sono
na madrugada púrpura dos astros.



Namibiano Ferreira

CANÇÃO DE ABRIL

Tela de Arlete Marques


Nos bolsos vazios dos calções do tempo
perdi-te na roda gigante da vida a girar...
encontrei-te Poesia na esquina esquecida
da rua ao passar pelo vento dos dias
–Pérola de Ombera– no abrir inconsciente do livro
de pétalas florindo anil no azul manso de abril.




Namibiano Ferreira

4 de abril de 2009

SABOR



Bebo kissângua...

E cheira-me a frutas maduras:

mangas goiabas

abacaxis pitangas

perfumes escondidos

enchendo quindas de quitandeiras

apregoando.



Bebo kissângua...

............................ e cheira-me a Luanda!


Namibiano Ferreira



Kissangua - bebida tradicional angolana.
Quinda - cesto
Quitandeira - vendedoura fruta ou peixe.