foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

27 de março de 2010

O MAIS BELO RIO

Rio Kwanza (foto net)

O Danúbio Azul, a valsa, é muito bela, maviosa
e o Danúbio, o rio, é provavelmente belo, também...
mas o rio mais belo, mais belo que todos os outros,
é o Kwanza. O Kwanza é verde verde verde e desliza
rodopiando um semba vida que se dilui na paisagem.
O Kwanza Verde é um semba verde de beijos e palmeiras
correndo deslizando ao longo da minha alma embutida
no verdor da paisagem, simbiose de semba líquido e feitiço,
onde na magia folha do céu flutua verde-negro o meu dongo:
uanga e Kwanza uanda e uanga da Kianda do verde Kwanza.

Namibiano Ferreira
Rio Kwanza (foto net)


Dongo - Canoa, piroga.
Uanga - Feitiço.
Uanda - Rede de pescar.
Kianda - Divindadedas águas. Sereia.
(Termos de origem Kimbundu)

21 de março de 2010

DIA INTERNACIONAL DA POESIA (21/03/2010)

Hoje é Dia Internacional da Poesia,  
  mas todos os dias sao de POESIA (ou deveriam ser).
Meia-noite algures em Angola (foto K. Luchansky)


EMPTINESS



Forjar na polpa das palavras
a sintonia suculenta do morfema
e sair nu cantando lavras
semeadas na cor do poema
ondulando liberdades e savanas
com olhos molhados de punhais
e vozes quentes de calema.


Vivemos um momento
vazio e frio de sentidos
há, como dizem os ingleses,
uma cruel emptiness, um vácuo
castrado de utopias e sonhos
suspensos, ideais na diáspora...


À varanda pálida dos lábios
sequiosos da alma, rosa aflita,
esta infame e crua certeza:

                      A POESIA
                            NÃO SERVE
                                  PARA NADA!

Os poemas, como as cartas de amor
do Campos, o tal louco de muitas pessoas,
(ou o tal Pessoa de muitos loucos)
são papéis riscados com letras...


Namibiano Ferreira

16 de março de 2010

MENINOS TOMANDO BANHO NA RUA

Meninos de Luanda tomando banho num buraco de água de uma conduta que arrebentou. Esta foto foi vencedora do top shot de Março 2007, na National Geographic Magazine.
Foto da autoria do técnico de informática, Kostadin D. Luchansky, residente em Luanda e natural da Bulgária. Um excelente fotógrafo amador com fotos publicadas na National Geographic e no seu site www.kodilu.com 

 *************

A água rompeu os canos por debaixo da cidade e ofereceu aos meninos pobres de Luanda uma cacimba para brincarem chapinhando no banho. Pior sorte têm os meninos dos musseques que brincam chapinhando em lamacentas águas putrescentes...
 
Namibiano Ferreira

14 de março de 2010

FALA DE UM HOMEM REGRESSANDO AO KIMBO

Foto nossoskimbos.net

Dou de beber aos antepassados
derramando sobre a terra o maruvo
que hei-de beber, saudando meus ancestrais
estrelas flamejantes invisíveis
como se fossem vitrais iluminando
o caminho do kimbo ladeado de sambos
onde guardo meu gado e disponho
as cubatas de minhas mukaias ouvindo
o chilrear do futuro protegido
pelo halo misterioso dos que me precederam.

Namibiano Ferreira

Maruvo - vinho da palmeira.
Kimbo - aldeia, sanzala.
Sambos - local onde se guarda o gado (idioma tchiherero).
Mukaias - mulheres, aportuguesamento da palavra umbundu ukayi (mulher).

11 de março de 2010

POEMA ASSIMÉTRICO - XICO BASTIAO -

-
Foto Joao Silva


Dormindo sob um Sol dado à morte
Xico Bastião sonha... ele é um soldado
e lhe disseram: soldado não sonha, mata!
Mas Xico Bastião sonha...
entre Zenza do Itombe e Ndalatando
há um kimbo à sua espera
e os braços doces de uma mulher
sua lavra massango, milho, mandioca
e no kimbo o riso monandengue do futuro
do fruto que ficou crescendo no ventre
vida da mulher dos braços doces...


Xico Bastião acorda no sobressalto
de obuses e murteiros e voz que lhe diz:
mata mata mata ou ficas estendido na mata,
a desconseguir a vida, o kimbo, a lavra e...
Xico Bastião mata para regressar no kimbo
a guerra é pessonha de kinhoka
e o sonho roto se diluindo na voz sem alma
das armas cuspindo fogo: kuta-mate-túbia
kuta-mate-túbia, tututúbia...
e os fiapos do seu sonho passam desfeitos
são, agora, um fogo-fátuo (soldado não sonha...):
lavra - larva (e) morte
lavrador - lavra (a) dor
e um desejo de chuva é lágrima no seu rosto
entre Zenza do Itombe e Ndalatando
ou em outro qualquer lugar
há sempre um kimbo à espera
de um lavrador transformado em soldado
e muitas vezes também
os braços doces de uma mulher...


Namibiano Ferreira, in Fragmensias . 12 . cekwi lavali


Kimbo - aldeia, sanzala.
Kinhoka - Cobra, palavra kimbundu.
Kuta-mate-túbia - literalmente: armas de cuspir fogo, kimbundu.

9 de março de 2010

OS MUKUBAIS (OVAHELELOS)

Segundo o compêndio História de Angola, publicado em Argel no ano de 1965, pelo CEA – Centro de Estudos Angolanos, do MPLA, o povo Helelo, Herero ou Ovahelelo, saiu dos Grandes Lagos, por volta do Séc. XVI e veio para terras angolanas. Entraram pelo extremo Leste de Angola, atravessaram o planalto do Bié e foram instalar-se entre o deserto do Namibe e a Serra da Chela.
Quem são estes Ovahelelos ou Hereros? São um povo de língua e costumes bantus, são pastores onde o gado tem uma expressão não só no seu modo de vida mas em toda a sua cultura. Na província do Namibe, em Angola, eles dividem-se nos seguintes subgrupos: Ovakuvale (ou Mucubais, Kuvale, Cuvales ou Mukubais), é o grupo mais numeroso; Ovahimba (Himbas) e Ovadimba (Dimbas). O seu idioma é o Tchiherero ou Tchihelelo. Os Helelos estendem-se pela Namíbia onde são mais numerosos do que em Angola.
Sendo um povo de pastores e vivendo eles num deserto onde raramente chove a sua pastorícia tem de ser de transumância e o nomadismo é forma corrente nestes povos que não conhecem nem reconhecem fronteiras e estados.
A tecnologia europeia não afectou o seu modo de vida tradicional mas o mesmo não se pode dizer do colonialismo europeu em terras de África. Souberam resistir-lhe mas pagaram caro essa resistência.

Homens Mukubais (foto Alex. Correia)

É lendária a sua oposição ao colonialismo, foram quase dizimados em 1941 mas resistiram e logo que puderam voltaram ao seu modo de vida tradicional, os bois, os sambos* e as ongandas**. A sua liberdade e o seu modo de vida dependem do sucesso das suas manadas. Neste tempo de globalização os Ovakuvale, ou melhor, os Ovahelelo de Angola, continuam resistindo a outras formas de vida.
Vocês já os conhecem deste blogue e da minha poesia, permanentemente invocados como forças de liberdade, resistência e chama de inspiração. Estes meus conterrâneos do Namibe, são um povo nobre e orgulhoso que aprendi não só a amar mas a respeitar. São um povo de esbeltas mulheres e de homens fortes e de costas bem direitas. Não há obesidade, magros mas naturalmente musculados.



 
 
 
Jovens raparigas mukubais, o "chapéu" que trazem na cabeca, protege-as do Sol abrasador do deserto, chama-se "erembe".
 
 
Homem mukubal (foto Hunakulu)


Mukubal na imensidao do deserto (foto Hunakulu).

A GUERRA DOS MUKUBAIS (1940-41)
O povo Ovahelelo, foi bastante perseguido e dizimado pelos alemães na sua colónia do Sudoeste Africano (actual Namíbia) mas não menos pelos portugueses no Sul de Angola. O texto que se segue, em itálico, vem referido no livro “Rumo ao Cunene” de onde passo a transcrever o texto sobre a Guerra dos Mucubais (1940-41):
Trata-se de um episódio raramente referido pela administração colonial portuguesa. Henri Pélissier diz mesmo que não foi objecto de qualquer relatório publicado pela imprensa oficial ou privada.
Partindo de um conflito (uma maka) relativa a um episódio de roubo de gado envolvendo cuvales, muílas e um comerciante português que degenerou em violência, foi desencadeada uma gigantesca operação de repressão do povo cuvale.
Este povo vive para o seu gado e a operação visou fundamentalemente separá-lo dos seus rebanhos, sendo grande parte dos reclusos (3.529 prisioneiros..., com um número de mortos desconhecido) encerrados em clolónias ou deportados para S. Tomé, durante alguns anos. O gado dos cuvales foi roubado ou leiloado a baixo preço (foi confiscado 90% do efectivo pecuário cuvale).
Os cuvales seriam nessa altura menos de 5.000, e as operações envolveram mais de um milhar de soldados e dois pequenos aviões que serviam para acções de reconhecimento e para perseguir cuvales isolados.
A proletarização dos cuvales não durou muito. Em menos de 20 anos, à força da aceitação de trabalhos que não estavam nas suas tradições, os cuvales reconquistaram os seus rebanhos e reganharam uma parte da arrogância passada. Demonstraram a vitalidade herdada dos seus antepassados, que há mais de um milénio partiram das terras do Norte.
É gente que não tem chefe político, nem soba, e que vive – repetimo-lo – para o seu gado. (...)
Em 1975, interpretando o conflito sul-africano como uma guerra de brancos contra negros, aderiram maciçamente ao MPLA e desenvolveram na retaguarda das forças sul-africanas uma muito eficaz guerra de guerrilhas. Farrusco, um operário português da Fábrica de Cervejas Ngola, no Lubango, ex-comando do exército português, foi aceite pelos cuvales e juntos conduziram acções contra os “karkamanos” (designação dada aos sul-africanos).
Não vou tecer comentários pessoais sobre este texto e às atrocidades aqui relatadas. Como podem verificar tratou-se de um genocídio e se não foi conseguido completamente deve-se à capacidade de sobrevivência do povo Ovakuvale.
 
Namibiano Ferreira
 
* local onde se guarda o gado.
** aldeia, local não permanente de habitação, devido à transumância.

8 de março de 2010

DEFEITO ANATÓMICO

Há duas grandes espécies de seres humanos: os homens propriamente ditos e os outros, os políticos*, os lobos disfarçados de ovelhas ou mesmo as hienas e chacais agindo desumanamente e sem disfarces.
Os homens, os propriamente ditos, para além das suas muitas subdivisões socio-culturais e económicas, são, em geral, os que enchem as praças nos dias de revoluções; são a carne para os canhões; o pavio de alimentar as guerras; o alvo de falsas promessas; o alvo preferencial das mentiras com que submetem, a maioria, isto é, os homens propriamente ditos, que em ditadura são algemados e alimentados com a medo e terror e, em democracia, são enganados com falsas e vis retóricas, vazias e bacocas e, mesmo assim vão, cidadãos eleitores, confiantes e cheios de virtuosas esperanças cumprir o dever cívico de eleger os que lhes roubam o direito ao Progresso, à Dignidade Humana e os mantêm alimentados de ignorância, incapazes de livremente discernirem.
* Entenda-se que, por políticos se incluem, não só os muatas que nos governam (ou desgovernam) mas também aqueles que, directa ou indirectamente, influenciam os governantes na sua falta de carácter, na sua ganância e avidez. Estou-me referindo às multinacionais e à sua famigerada globalização que nada mais é do que uma nova nomenclatura para colonialismo e subserviência dos mais pobres. A verdadeira Globalização, deverá pressupor Igualdade, Solidariedade e Partilha entre toda a Humanidade.

Namibiano Ferreira


DEFEITO ANATÓMICO

Os muatas
são homens
(homens?)
com graves
e anatómicos
problemas.
Na boca
têm a bunda
cloaca
pútrido
por onde
defecam
obscenidades
ignorâncias
bestialidades
e mentiras...

Namibiano Ferreira



A LAGOA DO ARCO DO CARVALHÃO

A Lagoa do Arco do Carvalhão fica perto da cidade de Tômbwa, província do Namibe no sul de Angola. É um maravilhoso oásis na aridez do deserto. As suas águas provêm do rio Kuroka, um rio seco que só transporta água no período das chuvas, que ocorrem de outubro a maio. É um típico rio de enxurrada e que normalmente revive entre fevereiro e abril. As chuvas, que o fazem transbordar com águas barrentas e furiosas, não caem no deserto mas a centenas de quilómetros nas terras altas da Huíla. O rio Kuroka é um pequeno Nilo que permite a agricultura nas suas margens.







5 de março de 2010

NARCISOS AMARELOS

Lá fora, o frio verde do Norfolk
não faz transbordar o riacho azul
a correr no corrimão da paisagem.
O gelo apoderou-se da varanda
e o lamento que pretendo gritar
esmorece no azimute impreciso
tela espúria pintada nos sentidos
sentados da alma roxa aprisionada
e eu sei, o Norfolk é uma prisão
aberta de grades ao áspero silêncio
ruidoso e no vento seco da diáspora
florescem amarelos os narcisos ingleses...

Namibiano Ferreira

3 de março de 2010

À LAIA DE FILOSOFIA OU MAGRA PROFECIA...

Tela de Abias Kayenga Ukuma (Angola)



                                       Oiço a hipocrisia duma gravata a mentir!
                                                Décio B. Mateus, in Xé Candongueiro.


Filosofando baixinho nas paredes do chão
racimos afloram no presságio nu do vento.
Um telhado de zinco, bátegas de água e chovia.
Forte, a chuva, caía fortaleza de barulhos
e foi então que aconteceu este poema pensado
pensamento à laia de filosofia ou magra profecia:

      makutu – a mentira –
      pode, a todos, nos engolir
      lembre-se, no entanto, há um dia
      a mentira vai é só explodir...


na podridão dos dias
algo está para acontecer
amanhã ou depois, não sei!
então vai ser p’ra valer
e virá (mais) injustiça ou Lei?
Olhem aqui – Eu também não sei!


Namibiano Ferreira


2 de março de 2010

POEMA DO TEMPO DO CONTRATO

Contratados (foto terrasdoquitexe.blogs.sapo)

E às vezes, quase sempre,
havia no lusco-fusco
dos dias um grito
amargo de silêncios
chorado e soluçado
baixinho pela noite
e que ninguém
parecia escutar...
Eram vozes ciciadas
orações amordaçadas
nos dormitórios palustres
dos contratados bailundos

Namibiano Ferreira

Contratados – Eram homens retirados à força dos seus kimbos (aldeias) para prestarem trabalho contratado, segundo legislação colonial do governo português. Ou seja, em breves palavras, o trabalho executado pelos contratados era um trabalho forçado e praticamente escravo. A diferença: não era vitalício.
 
Bailundos – Povo dos ovimbundu, habitando a província do Bié. A sua resistência ao colonialismo foi amplamente punida através das levas de contratados para as roças de café, no Norte, canaviais de Benguela e pescarias do Namibe.

ELAS SAO BELAS, AS MULHERES DA MINHA TERRA

PODERIA ESCREVER UM POEMA, DOIS, TRES, MIL... MAS NAO CHEGAM AS PALAVRAS PARA DESCREVER A BELEZA DAS MULHERES DA MINHA TERRA...




(foto Alex. Correia)





(foto de Alex. Correia)




Micaela Reis (Miss Angola2007)


(foto Alex. Correia)

1 de março de 2010

MATINALESTE

Tela de Arlete Marques (Angola)

Hoje fui no Leste
quando acordei
o brilho do Sol
bebi cachipembe
mas antes ofereci
aos ancestrais
e depois
sentei com o povo
para comer o chima
na roda da fogueira.
Havia maiungo
e fartura toqueia
pescada na água
água sagrada
da Chana da Cameia.

Namibiano Ferreira


Cachipembe – Bebida alcoólica feita à base de cereais.
Chima – O mesmo que fúnji (pirão), no Leste de Angola.
Maiungo – Verme comestível.
Toqueia – Pequeno peixe que se pesca nas águas da Chana da Cameia.
Chana da Cameia – Savana alagada no Moxico, Leste de Angola