foto: Jorge Coelho Ferreira

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA

POEMAS DE NAMIBIANO FERREIRA
Click na imagem!

23 de novembro de 2007

ROSTO




Para a Dinah



No rasto dos olhos da noite

dos astros

tem o teu rosto

brisa-riso

girassol aquecendo a nudez

da minha praia

mar sem rumo

mastro sem velames

ansiando o astrolábio

rasto de cometa

preso

no marulhar de teus lábios

beijo

carícia de Kianda.




Namibiano Ferreira





Kianda - Divindade das aguas, mitologia Ambundo (Angola).

21 de novembro de 2007

FLORESCÊNCIA

Rosa-de-porcelana (etlingera elatior)


Uma rosa
floresceu no jardim
do meu quintal...


Não é ainda a rosa-de-porcelana
prometida.
Olho para ela: cor indefinida,
pálida e serena.
Lembra-me o desabrochar de um Milénio...
E todos os dias são milénios
porque o Tempo é terno.


Namibiano Ferreira

19 de novembro de 2007

NOME


Nascemos quando nascemos

da água inchada no ventre

e depois,

pelo nome que nos dão

ou pelo nome que havemos de ter,

voltamos novamente a nascer.




Qual o meu nome?

Indelével lençol,

duna suave ondulando

semba.

E os ritmos presos no desejo

vagueante de querer o mar

mas, no entretanto,

na garupa de muitas patas

continuamente fugindo

levantando no ar

poeira.



Namibiano Ferreira

1 de novembro de 2007

AÇUCENAS PARA NOVEMBRO



Açucenas luzidias
zumbindo
encrespam os jardins de espuma.


É novembro!
Isto era em novembro
quando capim de muitas esperanças...
.....................................................................


-Quando vêm as açucenas ser a flor
branca de paz
luzindo Novembro de ano inteiro?




Namibiano Ferreira